Bilhete eletrônico, o que é, história e o impacto para a indústria aérea

Se você está interessado em se desenvolver na indústria aérea, neste artigo vou apresentar tudo que você precisa saber sobre bilhete eletrônico ou e-ticket.

Bilhete eletrônico ou comumente abreviado como e-ticket é o equivalente digital de um bilhete em papel.

O termo é associado a bilhetes emitidos por companhias aéreas.

História do bilhete eletrônico

Até 2008 todos os bilhetes aéreos eram físicos, portanto o passageiro não poderia embarcar sem apresentar seu bilhete.

Nos casos de alterações de datas ou reemissões, o bilhete também deveria ser apresentado.

A logística não ajudava, o passageiro tinha que retirar seu bilhete comprado na agência de viagem ou companhia aérea.

Até que 1º de junho de 2008, ficou obrigatório que os membros da IATA utilizassem os bilhetes eletrônicos ou e-tickets.

Desde então, além da conveniência para os passageiros que não precisam mais se preocupar com a perda dos bilhetes, as alterações nos itinerários também ficaram mais fáceis.

Economia para indústria aérea

De Acordo com a IATA, o e-ticket colaborou com a redução substancial de custos para o setor de até 3 bilhões de Dólares por ano.

Bilhete eletrônico

Na prática como funciona o bilhete eletrônico

Para emissão dos e-tickets basicamente deve-se ter uma reserva confirmada em algum GDS.

Cada sistema ou GDS tem suas características de entradas e procedimentos para emissão, porém, a “mentalidade” de todos é a mesma.

Eletronicamente um número de bilhete será gerado no sistema que automaticamente  é comunicado à companhia aérea.

Um número de bilhete é composto por código de companhia aérea de três dígitos, seguidos por 10 dígitos.

Além disso, um bilhete eletrônico possui:

  • Nome do passageiro
  • Itinerário
  • Número do bilhete
  • Localizador (Loc)
  • Tarifas e taxas
  • Um breve resumo das restrições tarifárias, geralmente especificando somente se a alteração ou o reembolso são permitidos, mas não as penalidades a que estão sujeitos.
  • Forma de pagamento.
  • Franquia de bagagem.

Este bilhete é encaminhado pela agência de viagens ou companhia aérea por e-mail, não havendo necessidade de impressão.

Sobretudo, em posse do bilhete eletrônico, o passageiro se apresenta ao check-in, seus dados são localizados e o embarque é efetuado.

Regras de tarifas

Todo bilhete emitido utiliza um tipo de viagem e uma tarifa da qual o passageiro pagou.

Além disso, é muito importante que todas regras desta tarifa sejam informadas para o passageiro.

Assim, o passageiro fica ciente de todas as restrições (multas em caso de alteração de data e reembolso etc.)

Educando o passageiro sobre as regras do bilhete eletrônico, evitamos assim problemas e reclamações no futuro.

Deixe um comentário logo abaixo sobre o que achou deste post ou sobre assuntos que poderia abordar nos próximos artigos, dica extra que queira compartilhar ou até mesmo alguma crítica.

Se você assim como eu ama a indústria e conhece pessoas que adorariam receber esse conteúdo.

Compartilhe esse artigo! Facebook, Twitter e Linkedin!

Nos vemos em breve.